agosto 7, 2014 -

Por Airon Toledo

Olá, galera! Hoje, na estreia da coluna Café com Battle Scenes, vamos falar sobre Modo de Jogo.

Antes de mais nada, gostaria de me apresentar: sou Airon Toledo, tenho 27 anos, sou grande fã de jogos de mesa em geral e adoro uma boa disputa. Na minha família, teimosia é a qualidade e nosso lema é “Um Toledo nunca nega um jogo!”. Estou nessa de aprender a jogar Battle Scenes como todos vocês – estudando o game, me atualizando a cada novo deck list, opinando e sugerindo melhorias a cada nova regra que aparece.

Mas enfim, vamos ao que interessa! Quando me refiro a modo de jogo, estou tratando do fato que jogadores diferentes tomam decisões distintas em situações idênticas, pois cada um tem a sua própria maneira de jogar. Exemplo: considerando a mesma situação de jogo e os mesmos cards nas mãos, o jogador A optaria por baixar 2 personagens, sendo um com 7 de vida e outro com 5 de vida; já o Jogador B optaria por baixar 3 personagens, cada um com 4 de vida.

Quem nunca pegou emprestado aquele deck campeão do amigo para disputar um torneio de Battle Scenes e se deu mal? Ou mesmo fez alterações no próprio deck na noite anterior ou horas antes do torneio e se deu mal também? O que ocorre nesses casos é que somos surpreendidos por circunstâncias de jogo que nunca enfrentamos antes – e antes de um movimento decisivo, ouvimos o piloto do deck exclamar: “Vou fazer isso pra ver no que dá!”, e normalmente não dá certo!

Desta forma, vamos definir modo de jogo em dois pontos principais: o momento de abrir a mesa e com quem abrir a mesa. Esses pontos fazem total diferença no match e definem com boa exatidão o modo de jogo de cada jogador.

 

O momento de abrir a mesa

O momento de abrir a mesa mostra a ideia principal do seu deck (se de fato é bem definida ou não), “Deck Pesado”, “Deck Stomp”, etc. E aponta seu nível de atenção na partida ou experiência no jogo (exemplo: ver o oponente abrir primeiro, montar 3 personagens, um com Roubo de Ideias e outros dois com Arrancar das Mãos e não baixar nada para combatê-los, pode ser um forte indício de falta de experiência no jogo). Muitas vezes é possível perceber o nível de experiência do oponente apenas avaliando o momento em que ele abriu a mesa¹.

 

Com quem abrir a mesa

Escolher um personagem ou outro? Este ponto é mesmo decisivo, pois apenas você perceberá (seu oponente muitas vezes não tem acesso aos cards de sua mão para atestar seu erro) e pensará “Deveria ter colocado outro personagem no lugar deste…”. O que ocorre aqui é que, muitas vezes, associamos a vitória ao poder de fogo² de algum de nossos personagens (que outras vezes nos atribuíram vitória em circunstâncias parecidas) – mas Battle Scenes é um dos jogos simples com as tomadas de decisões mais complexas que já conheci. Cada partida de fato é única, e aquele Wolverine salvador pode não te ajudar sempre! O segredo aqui está em avaliar bem os recursos, card a card, habilidade por habilidade, ao invés de apenas contá-los (exemplo: “Eba! Já tenho 16 recursos, vou fazer Abominável e Hulk para acabar com o jogo!”, sem considerar nada que está em seus recursos).

Visto que definimos do que se trata o modo de jogo, pense na forma em que você costuma jogar ou gostaria de jogar, seja “segurando pra baixar” e baixando personagens pesados ou “abrindo rápido” com personagens pequenos e antecipadores. Viabilize isso através de seu deck, pois não adianta ganhar todas as partidas sem se divertir. Por isso, monte algo que te agrade. Pode ser inusitado, incomum ou simples. Seja qual for sua ideia, É POSSÍVEL SIM VENCER USANDO-A! Hoje em dia, até Saltitar joga muito. Ou o mundo vai acabar… ou estamos próximos dos Torneios Oficiais!

Dica: Atente-se à Fase de Ajuste! Com o limite de 7 cards nas mãos, o jogo ficou muito mais rápido e aberturas mais precoces serão comuns. Assim, aumente o número de personagens no deck (Motoqueiro Fantasma e Deadpool BSET irão ajudar muito!), trabalhe com a necessidade de responder a uma grande abertura já no primeiro turno de jogo (Convocar Reforços será essencial!), procure optar por cenários que causem dano (Explosão Certeira, Explosão Errática, Garras Imoladoras, Projétil Inesperado, etc), dê as boas-vindas a Pyro e Homem de Gelo, e boa diversão! 🙂

Bom, galera, e por hoje é isso. Espero que tenham gostado e até a próxima coluna!

 

“Uma horda de mutantes se aproxima… coloquemos Fanático no deck pra resolver este problema!”

 

¹ Abriu a mesa: Baixar o primeiro personagem
² Poder de fogo: Capacidade de causar dano

  • Lucas

    Grande Airon! Belo texto. Acho que o que tá escrito aí traduz o que a gente tem visto tanto em torneios quanto em mesões. Parabéns pela coluna!

  • Kleber Kennedy Menezes

    Muito bom o texto Airon, como sempre.

  • Léllis Barboza

    Mandou bem demais Airon. 😀

  • Pedro Victor Nascimento

    Airon representando Jundiaí =D

  • Filipe Ricardo Brito

    Sensacional Airon, meus parabéns pelas dicas e auxílio!
    Sucesso pra vc!

  • Alan Medina

    Ai sim amigo…ótimo artigo! Aposto q suas palavras ajudaram muitos jogadores a pensarem melhor o seus jogos!… Abraços…

  • Mikes(SPBS – spbattlescenes@gm

    Parabéns pelo post, que venham mais destes em breve!

  • Aine Riedo

    Adorei o post! Acima da média, disparado! Hahaha. Menino talentoso.